sexta-feira, 29 de maio de 2009

Alma de artista


A estrela chorou azul/acrílica s tela-2002




Alma de artista, é alma povoada de imagens, seres de poesia que vivem à espreita de uma oportunidade para fazerem-se concretos, visíveis aos olhos.
O artista é alguém que vive imerso no mundo das coisas e dos outros seres, mergulhado no mundo sempre enxergando e buscando o invisível por trás de tudo o que existe.
Olha e vê o mundo à sua volta com os olhos cheios de indagações, surpresas e poesia.Nas coisas mais simples e cotidianas, ele enxerga um universo completo, novo e diferente.Sempre um novo pretexto para inventar, criar e recriar o universo (o mundo de dentro e o de fora).
A fantasia, o sonho, e o pensamento criativo se alastram e expandem a consciência humana. Ele bebe de diversas fontes, nutre seu trabalho buscando subsídios em tudo aquilo que vive.Toda gama de vivências sejam elas visuais, sonoras, táteis, emocionais, afetivas, oníricas, etc. Passam pela alma do artista e faz daí sua morada, enriquecendo e nutrindo seu caldeirão de saberes e conhecimentos com o propósito de elaborá-los e transformá-los de maneira alquímica em obras, imagens de sua criação. O olhar do artista que transforma tudo o que vê e o que toca, necessita de diferentes meios para elaborar suas imagens poéticas e transformá-las em seres com vida, que respiram. A pintura, a gravura, o desenho, o vídeo, a fotografia, o mármore, a areia, a terra, o lixo, a madeira, o ferro, a água, a cera, a parede, o sal, o metal, as pessoas, os pêlos, as peles, o carvão e a poeira...O suor e a saliva. Toda sorte de matéria e de materiais tornam-se experimentações em suas mãos e em sua imaginação, num fluxo continuo de idéias, invenções, possibilidades e ações. O artista é um alguém que provoca e instiga, sejam pensamentos ou indagações, com suas imagens povoadas de mistério e poesia. Exercita nosso olhar a procura de novos caminhos e novas possibilidades de existir, alargando as fronteiras da percepção e da transformação do nosso ser pensante e imaginativo.Através dos acontecimentos em suas imagens somos levados a existir em uma outra esfera, criamos e damos sentido juntamente com o seu universo a outros universos possíveis e transformadores.

sexta-feira, 22 de maio de 2009

DAS UTOPIAS
Se as coisas são inatingíveis... ora! Não é motivo para não querê-las... Que tristes os caminhos se não fora A mágica presença das estrelas! Mário Quintana-Espelho Mágico

sábado, 16 de maio de 2009

DESTINOS DE VIAGEM


Ao decidir um destino de viagem somos movidos pela curiosidade por determinado lugar. Pode ser pela arquitetura, cultura, pela arte, paisagens, ou outro motivo qualquer.
Porque esta e não aquela cidade!? O que tem este ou aquele lugar que me motiva e me impele a ir ao seu encontro?!
Por trás das nossas escolhas, sempre está presente algo que está além da simples objetividade e curiosidade. Somos guiados por uma parte do nosso ser menos visível, mais oculto, escondida sob a aparência daquilo que vamos nos tornando com o passar do tempo.
Todo viajante é antes de mais nada alguém que busca, que procura. Todo viajante mais atento, tem a oportunidade de perceber, que existe algo que vai acontecendo durante o caminho, na imprevisibilidade de cada passo, a cada esquina que se dobra...
Nosso trajeto vai se construindo nas dobras do tempo e nós vamos nos desconstruindo à medida que vamos caminhando. Algumas portas se abrem e outras vamos fechando, deixando pra trás algo que já não nos pertence, algo que já não somos mais. Fazemos novas aquisições, novos ganhos, e um novo olhar se instaura.
Nos nossos destinos podemos encontrar coisas que nos permitem um encontro mais sincero com a gente mesmo. Quando você se deixa levar sem pressa, sem a preocupação dos horários a cumprir e de tantas coisas pra ver e fazer, você se permite ver além daquilo que está imediatamente a sua frente. Surpresas podem acontecer. Descobertas, achados, encontros e desencontros.
Mais do que novidades e lazer uma viagem tem a mágica de nos aproximar de nós mesmos, verdadeiramente.



Amst, 19 maio 2009.