sábado, 12 de março de 2011

PICASSO IN PARIS (Van Gogh Museum 1900-1907)




Quando Picasso chegou a Paris no final de Outubro de 1900, era ainda um artista desconhecido da maioria. Tinha então 19 anos, a imaginação fervilhando por novas idéias e estava em sua plena formação como artista.
Foi a Paris designado pelo jornal Cataluaya de Barcelona para cobrir a Exposição Universal (grande feira de artes) que acontecia naquele momento em Paris. Mas também estava participando com a obra Últimos Momentos no Pavilhão Espanhol da mesma feira.

Juntou-se a outros colegas em um estúdio no bairro boêmio de Montmartre, onde conviveu com diversos artistas que procuravam a capital francesa em busca das novidades da vanguarda e da modernidade da cidade grande para estabelecer suas carreiras.
Picasso ficou em Paris por pouco tempo, até Dezembro daquele ano, quando então voltou para Barcelona. Essa estadia em Paris foi decisiva para o desenvolvimento do seu trabalho.
Picasso viu pela primeira vez pessoalmente a obra de importantes artistas como Gauguin, Toulouse Lautrec, Steilen, Cézanne e Van Gogh. O contato com esses trabalhos causou um forte impacto na imaginação do artista, que absorveu avidamente tudo que viu e deixou traços marcantes em suas obras do ano seguinte, assim como proporcionou as bases para a criação do Cubismo, tão importante quebra de paradigmas na Arte do século XX.
No período de sete anos (de1900 a1907) ele se tornou a figura líder da vanguarda na arte daquela época.

                                                          O Abraço, 1900.


Esse particular momento na vida de Picasso é mostrado na exposição:
Picasso in Paris 1900-1907 que está no Van Gogh Museum até 29 de Maio 2011.

A exposição é organizada sobre quatro pilares: Picasso descobrindo Paris, O período Simbolista, a vida boêmia e o grande avanço a caminho de sua consistente e vasta obra.
Durante o percurso dá pra perceber a evolução do jovem artista, como ele elaborou as informações que absorveu de seus antecessores e contemporâneos e como construiu por meio e através disso, sua própria obra e técnica. As obras falam por si mesmas. Grafismos nas linhas rápidas e inacabadas dos esboços sobre papel de embrulho remetem aos cartazes de Lautrec e Steilen. Pontilhados, pinceladas enérgicas e camadas espessas de tintas a Van Gogh, Seraut.
A curadoria* da exposição possibilita ao espectador entender como se deu o desenvolvimento dos diferentes períodos do artista e a sequência de acontecimentos que desencadearam sua arte. De que maneira a arte de outros artistas exerceu influência sobre a imaginação de Picasso e como ele reelaborou essas influências nas suas obras, reinventando-as.
Algumas obras nas quais Picasso foi beber inspiração também estão expostas:

*Paul Gauguin- Retrato da jovem Vaite Goupil – 1896, óleo s/tela;


*Puvis de cavannes – Caridade, 1894. Óleo s/ tela.


*Van Gogh – Retrato de Augustine Roulin, 1889. Óleo s/ tela.


*Cartazes de Toulosse Lautrec e Steilen.


*Ilustrações de Picasso para revistas francesas (o que era comum para os artistas afim de ganhar algum dinheiro);

Na primavera de 1901 Picasso pintou freneticamente mais de 64 pinturas para sua primeira exposição em Paris na Galeria Vollard. Alguns críticos diziam que apesar do óbvio talento do artista, as obras o revelavam como um imitador de Toulouse Lautrec, Steilen e Van Gogh.
No início desse ano seu amigo Casagemas comete suicídio em Paris, o que segundo o próprio Picasso desencadeou sua fase azul.

                                         Le Moulin de la galette

Em 1906-1907 o artista realizou enormes avanços em sua arte, concentrando-se no tridimensional através de esculturas.
Particularmente dois eventos contribuíram e causaram forte impressão: uma exposição de esculturas Ibéricas no Louvre e o estudo de arcaicas esculturas de pedra de sua Espanha natal.
A partir desse momento o trabalho de Picasso toma novos rumos, desencadeando o que um pouco mais tarde seria conhecido como Cubismo.

                                    Cabeça de Bobo da Corte-1905,Bronze.

 
                             Auto retrato com paleta -1906, óleo s/ tela. 


Na obra acima, Auto retrato com paleta de 1906, percebe-se uma nova maneira de construir a obra. Linhas abertas fortemente marcadas. Agora, os seres tem um corpo físico muito presente (mais do que as etéreas e poéticas figuras do Período Simbolista- Azul e Rosa) a influência de suas pesquisas tridimensionais se faz presente. Uma arte mais racional, intencionada.
Picasso rompeu fronteiras importantes para o desenvolvimento da Arte Moderna, expandiu horizontes, recriou uma nova maneira de fazer arte. Absorveu a arte dos grandes como Cézanne, Van Gogh, Toulouse Lautrec, Degas, Seraut, reelaborando-a e transformando aquilo que o marcou em sua própria linguagem.

 Período Azul 1901 -1904 (Simbolista)
No final de 1901 a descrição da vida noturna de Paris, da vida boêmia de Montmartre e as cores brilhantes do início desaparecem da obra de Picasso. É o inicio do Período Azul, uma fase simbólica em que Picasso retrata os menos favorecidos. Influências sociais, culturais e pessoais determinaram a mudança para um caráter mais simbólico. Picasso conhece a literatura de Rimbaud, Baudelaire e Verlaine e através disso que a verdade é inseparável da dor. Com a passagem do tempo o azul se torna predominante em sua obra e a atmosfera de tristeza, mistério e melancolia. O azul sugere profundidade espiritual, decadêncai, melancolia, solidão.

"Art is not the application of a canon of beauty but what the instinct and the brain can conceive beyond any canon. When we love a woman we don’t start measuring her limbs." Picasso

*Curadoria: é todo o processo que envolve uma exposição: concepção e conceitos que irão nortear a exposição, a escolha das obras, organização do espaço físico, a maneira como as obras estarão expostas, quais colocar lado a lado, os textos que acompanham as obras, a estrutura sobre a qual será construída e montada a exposição.
Curador é aquele que realiza a curadoria. 

                                Pablo Ruiz y Picasso (1881-1973) 
                                  
                                         Van Gogh Museum